The Drew Family's Blog

Just another WordPress.com weblog

Cartão de Natal 2010 / Christmas Card 2010 dezembro 24, 2010

Filed under: Família/Family — thedrewfamily @ 10:57 am
Tags: , , , , ,

Faz tempo que nós queremos uma foto profissional das crianças juntas.  É claro que teria que ser PeaPod.  Em setembro, no finalzinho do verão antes do Tucker e da Piper voltarem para Michigan, conseguimos fazer essa sessão de fotos.  O resultado é uma foto que agente não consegue parar de olhar.  Amamos essa foto!!  Eu, então, gostei tanto que assim que a foto chegou em minhas mãos eu já fui fazendo o cartão de Natal.  Minha vontade era mostrar para todo mundo que crianças lindas nós temos. 
Taí o cartão.  Simples, com ênfase na própria foto.  Esse cartão recebeu tantos elogios que até me surpreendeu.  Resolvi deixar registrado aqui, já que é difícil acreditar que algum ano no futuro teremos um cartão que supere esse aí.

It’s been a while that Chris and I have wanted a professional picture of all the kids.  Of course it had to be Pea Pod.  In September, at the end of summer right before Tucker and Piper had to go back to Michigan, we did this photo shoot.  The result is a photo that we can’t get enough of.  We absolutely love it!!  I liked it so much that as soon as I got my hands on the photo I started working on the Christmas card.  I just felt like sharing this picture with everyone. 
Here is the card.  Clean, with the focus on the photo itself.  This year, our Christmas card got so many complements that I was surprised.  I want to leave it registered here, as it’s hard to believe that we’ll ever have a holiday card that will surpass this one.

 

Meu entiado, Tucker junho 13, 2010

Filed under: Família/Family — thedrewfamily @ 3:42 am
Tags: ,

Tenho que falar um pouco dos meus entiados.  Agora que estão crescendo, estão me deixando muito orgulhosa.  O Tucker está com 12 anos.  É um rapaz bonito, inteligente, simpático e social.  É claro que com 12 anos ele ainda acha que sabe muito mais que os adultos, mas até nisso ele já melhorou.  Lembro-me como era chato para comer.  Eu chegava a ter dor de cabeça só em pensar em preparar almoço ou janta quando ele estava aqui.  Quando ele tinha 9 anos resolveu que seria vegetariano, vê se pode!  Ele vinha para cá e não comia nada de carne, so queria o macarrão, ou purê de batata.  É claro que isso não era aceitável.  Acreditamos que aqui em casa nós fazemos as régras e todos a seguem.  Começando pelo fato que todos somos “normais” (sem problemas de alergia a abobrinha ou vegetariano aos 9 anos, isso ele pode fazer quando estiver com a mãe).  Assim sendo, agente prova (uma quantidade decente, nada de lambidas na ponta do garfo) todos os pratos que eu faço.  Se não gostar não precisa comer, mas se não comer direito é capaz de ficar sem sobremesa.

Duas viagens ficaram marcadas na minha mente.  Uma foi quando fomos passar a Páscoa na casa da Lois.  Primeiro fomos a um restaurante brasileiro com muito churrasco.  Lembrando que ele não era vegetariano quando estava com a gente, mas não era obrigado a comer um montão de carne, bastava um pedaço.  Bem, depois do primeiro prato cauteloso, ele foi repetir.  Voltou para a mesa com um prato SÓ de carne!!  Porque raios ele é vegetariano se gosta tanto de carne assim?  Nessa mesma viagem, a Lois fez cenoura com brocollis de legumes porque ele disse que ele adorava cenoura com brocollis.  Bem, ele não comeu os legumes e disse que estavam cozidos demais para o gosto dele.  Os legumes estavam ótimos, mas como a mãe estava presente então ele já não era mais cudado. O interessante foi a conversa com a mãe quando eu elogiei o filho dizendo que ele chegou a repetir um prato só de carne no dia anterior, a  mãe me diz que eles comem de tudo sem problema algum. Quem come de tudo?? Será que ela estava falando do menino que não comeu legume algum no jantar??

A segunda viagem foi a vinda deles para passar uma semana em Lancaster no verão.  Eu estava grávida do Nicholas naquela época.  O Tucker já começou a me tirar do sério antes de chegar aqui.  Eu no mercado comprando peixe para grelhar, ele falando comigo no telefone no carro já começou com que peixe você vai comprar? Eu não como esse peixe, a Piper não come aquele… Daí foi a linguíça, depois o hamburguer, carnes, ele tem que saber o tipo do queijo, não quer nem provar sem ver o papel com o nome do  queijo pois ele pode não gostar, o frango ele não gosta, com o que eu temperei a carne, a salada, o legume…  No terceiro dia, nós no restaurante tomando café da manhã ele quer panqueca com isso e aquilo. O pai fala que tudo bem, mas primeiro ele tem que comer o ovo.  Ele vira e diz com uma voz de superioridade que não come ovo.  Até parecia que era a primeira vez que ele estava conosco e tinha que nos dizer o que ele comia ou não.  Ele se esqueceu que ele não é um estranho e que nos sabemos o que ele come ou não.  O menino sempre comeu ovo!!!!  Eu fui a loucura e falei que quando estivesse conosco ele seria uma criança normal, sem frescuras com comida.  Ou ele comia de tudo (com excessão de uma proteína e um legume) ou eu não queria mais ele perto da irmã mais nova (quem come de tudo e idolatra o Tucker e a Piper).  Depois desse dia ele ficou pianinho.

Hoje em dia ele já come direito, sem ter que ser diferente.  Acho que ele percebeu que nem sempre ser diferente quer dizer ser melhor.  Ao contrário, muitas vezes a pessoa que não se enquadra não é bem vista nem popular.  Entretanto, ele ainda precisa chamar a atenção — ou melhor, ser o centro das atenções — como um leonino nato.